[object Object]

UC e Câmara Municipal de Coimbra vão assinar protocolo no âmbito da segurança informática

A colaboração vai permitir à Cãmara de Coimbra instalar servidores no Data Centre principal da Universidade de Coimbra, no Polo I (na foto). Dessa forma a informação digitalizada da autarquia vai ter redundância de cópias de segurança. Entre os dois locais vai também existir uma ligação física em fibra ótica.

A Câmara Municipal de Coimbra (CMC) aprovou por unanimidade a proposta de assinatura de um Protocolo de Cooperação com a Universidade de Coimbra (UC) tendo em vista “o reforço  a sustentabilidade e resiliência dos seus sistemas informáticos”. A decisão teve lugar na última segunda-feira, dia 25, na reunião do executivo.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Coimbra, Francisco Veiga, explicou à RUC as vantagens da colaboração.

As redes sem fios do Município (Coimbra +) e a da Universidade de Coimbra (Eduroam) vão estar interligadas. A iniciativa vai trazer vantagens para a comunidade académica, afirmou o vice-presidente do Município de Coimbra.

Segundo Francisco Veiga, o protocolo não acarreta custos adicionais quer para o município, quer para a UC. O vice-presidente da CMC reforçou a importância da colaboração entre as duas instituições.

A colaboração entre o Município de Coimbra e a Universidade vai também estender-se a outras áreas. Com a descentralização de competências na área da educação as obras na Escola Secundária José Falcão foram classificadas como “muito urgentes” e em princípio o governo vai pagar a 100 por cento a intervenção.

O Município de Coimbra já pediu colaboração ao Departamento de Arquitetura para elaboração do projeto, estando apenas a aguardar luz verde da tutela. As declarações sobre o assunto do presidente da CMC, José Manuel Silva, à comunicação social, no final da reunião.

Na fundamentação técnica da proposta sobre o protocolo com a UC é mencionado que ao mesmo “seja adicionado um outro, a propor, entre o Município e a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), para a partilha de infraestruturas de comunicações e fibras óticas instaladas, e a instalar, por ambas as partes, no território municipal”.

Fotografia: [email protected] Santos

PARTILHAR: