[object Object]

Miguel Costa Marques: “Somos o único partido anti-sistema”

A segunda parte do observatório contou com a presença do candidato ao círculo de Coimbra, nas eleições legislativas pelo partido Ergue-te, Miguel Costa Marques.

O candidato pelo partido Ergue-te, antigo Partido Nacional Renovador(PNR), destacou alguns dos objetivos do partido, como a defesa da identidade nacional e a “fidelização à nação portuguesa”. A seu ver, Costa Marques pertence ao “ único partido anti-sistema e nacionalista”, parte de uma “direita de valores”.

O candidato do Ergue-te, que não tem receio em dizer que é “ abertamente católico, monárquico e nacionalista” sugeriu uma revisão à lei da Nacionalidade, que deveria tomar contornos mais restritos ao “permitir a cidadania apenas a filhos de portugueses”.

Para além disso, o advogado promete, caso seja eleito como deputado, lutar pela redução das taxas de justiça para que esta seja “ acessível ao cidadão comum”.

Miguel Costa Mendes propôs, também, a criminalização da alienação criminal, que manipula crianças de forma a fazer chantagem entre progenitores, e o aumento gradual das penas em crimes de pedofilia, tráfico de droga, homicídio, entre outros.

O candidato pelo partido Ergue-te tem uma visão crítica e dura sobre o mundialismo e a ideoloiga de género. Na sua opinião, a disciplina de cidadania confronta as crianças e os jovens com as questões do género, de forma prematura. Em oposição, diz ter ficado desiludido com o término da disciplina de Religião Moral e Religiosa Católica, relevante num país ,a sua maioria, católico.

O advogado admite a extensão da disciplina de educação moral a outra religiões, como o islamismo, desde que o currículo não “fanatize as crianças, como acontece no islão”.

Miguel Costa Marques recomenda ainda uma correção no sistema de propinas no ensino superior, que deviam ser adequadas às condições económicas de cada estudante. Ainda no tema do ensino superior, considera ser necessário o aumento das parcerias entre as instituições de ensino e o mercado de trabalho.

Para ouvir a entrevista na íntegra pode aceder através do link acima ou no Spotify da RUC.

PARTILHAR: